Várias razões para assistir ao show de Amelinha

Por Carlos Bozzo Junior
A cantora e compositora Amelinha (Foto: divulgação)
A cantora e compositora Amelinha (Foto: divulgação)

São muitas as razões para assistir ao show “Janelas do Brasil”, da cantora e compositora Amelinha, 66, que acontece de sexta (26) a domingo (28) na Caixa Cultural São Paulo, no centro da cidade. A sonoridade em que sua voz está envolta é uma delas. No espetáculo, a cantora é acompanhada pelo som bonito, disciplinado e funcional dos violões de Julinho Braw e Cesar Rebechi. Nem por isso, ambos deixam de ter um momento reservado para também brilharem.

Outra razão é que Amelinha comemora 40 anos de carreira e passa por todas aquelas músicas, que todos querem ouvir. Mas ela não se cansa de cantar as mesmas músicas após 40 anos?

O Música em Letras entrevistou, por telefone, a artista cearense, que há 22 anos mora em Niterói (RJ). Leia a seguir, trechos da conversa da artista com o blog.

SHOW

Desde que o show estreou em São Paulo, e foi registrado em DVD, em 2015, no teatro Fecap, Amelinha tem rodado o Brasil com grande sucesso. “Fizemos em vários lugares de São Paulo, porque a cidade é um mundo de lugares, e isso para a gente fazer show é uma beleza”, disse a cantora que já levou o espetáculo para o Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Ceará.

Perguntada sobre qual foi a maior lição que recebeu nesses 40 anos de carreira respondeu: “Que a gente todo dia aprende. Estamos sempre aprendendo. Tem sempre o novo. Por mais que a gente pense que já estamos por dentro, não estamos; o repertório é vasto. Aprendi que viver é bom. Eu gosto de viver e atravessar as idades está sendo muito bacana”.

“O Silêncio”, de Zeca Baleiro- música que interpretada pela cantora surge numa linha tênue entre uma balada e uma toada-, mostra, segundo ela, um “lado B” do compositor maranhense. “Geralmente todo mundo canta a mesma música de um compositor, mas eu gosto de um certo ineditismo”, disse justificando a escolha. Quanto a “Felicidade”, música de Chico César e Marcelo Jeneci, a cantora comentou: “Me identifiquei muito com essa letra do Marcelo e a música do Chico. Eles são muito bons compositores e artistas formidáveis. Essa música é cinematográfica, muito livre, tem um jazz nela que remete ao [filme] “Dançando na Chuva”. Eu só gravo o que eu sinto, sabe?”

No repertório do show, “Gemedeira”, música que faz parte da trilha da novela “Velho Chico”, em exibição na Rede Globo; “Galope Rasante”, de Zé Ramalho; “Flor da Paisagem”, de Robertinho do Recife e Fausto Nilo; “Foi Deus Quem Fez Você”, de Luiz Ramalho; “Mulher Nova Bonita e Carinhosa Faz um Homem Gemer Sem Sentir Dor”, de Otacilio Batista e Zé Ramalho; e claro “Frevo Mulher”, de Zé Ramalho. Sobre como faz para cantar essas mesmas músicas depois de 40 anos sem sentir-se entediada, a artista respondeu: “Elas se renovam para mim em seus significados. Isso é muito mágico porque sempre escolhi músicas que atravessaram o tempo e eu junto com elas, descobrindo novos significados. Por isso, elas continuam me emocionando”.

Amelinha disse ainda que pretende despertar em quem for ao espetáculo “muitas boas emoções”. Mais uma forte razão para assisti-la.
SHOW “JANELAS DO BRASIL”
ARTISTA Amelinha
QUANDO Amanhã, sexta-feira (26), sábado (27) e domingo (28), às 19h15
ONDE Caixa Cultural São Paulo, Praça da Sé, 111, tel. 3321-4400
QUANTO Gratuito. Dois ingressos por pessoa, retirados no local a partir das 9h do dia do show.