“Divertimentos” é letal ao preconceito

Por Carlos Bozzo Junior
Capa do CD "Divertimentos", do Trio Opus 12 (Foto: Carlos Bozzo Junior)
Capa do CD “Divertimentos”, do Trio Opus 12 (Foto: Carlos Bozzo Junior)

“Divertimentos”, último CD do Trio Opus 12, traz um repertório contemporâneo para o violão com músicas de autores brasileiros nascidos na década de 1950: Paulo Bellinati, 65; Marco Pereira, 65; Sérgio Assad, 62 e Paulo Porto Alegre, 62.

Entre esses brilhantes compositores e dedicados instrumentistas, a formação popular e erudita os assemelha, enquanto obter o melhor de ambos os estilos (erudito e popular) os diferencia. A mescla de gêneros faz com que as músicas desses artistas sejam letais diante do preconceito, que ainda existe na cabeça de tolos separatistas.

Afinal, música é feita, entre outras razões, para ser apreciada com as mesmas intenções, seja diante de um grupo de jazz, rock, samba, choro ou de uma orquestra. Os integrantes do Trio Opus 12 sabem disso. Ouça a acadêmica e suingada “Tocata e Fuga Funk”, entre outras de Paulo Porto Alegre, que abre o CD, e conheça de cara a alma do som deste trio.

O grupo existe há 38 anos. O primeiro disco, um LP homônimo e independente, foi lançado em 1982. Sua produção, assim como suas três mil cópias, foram bancadas pelo saudoso ator e empresário Nello Roberto De Rossi (1922-2013). Além de ser conhecido em São Paulo como o dono da tradicional cantina Nello’s, Rossi foi imortalizado nacionalmente pelo comercial que perpetuou o bordão “Bonita camisa, Fernandinho”. Hoje, ambos são raros, tanto o disco do trio em vinil -já remixado e lançado em CD, em 2013-, quanto um mecenas como Rossi.

Entretanto, como o show não pode parar, o trio continuou. Na sua sétima formação, o grupo tem Paulo Porto Alegre como único integrante remanescente da inicial. Chrystian Dozza, 31 e Daniel Murray, 34 juntaram-se a ele, no final de 2013, e gravaram agora “Divertimentos”, excelente CD com 21 faixas, produzidas pelo também exímio violonista e compositor Paulo Belinatti, autor de “Maracatu da Pipa” e “ Pingue-Pongue”, ambas na bolachinha.

O maracatu, a balada e o choro figuram na “Suíte Brasileira”, de Sérgio Assad, enquanto o coco “Bate-Coxa”, do mestre Marco Pereira, encerra o disco certificando o divertimento de cada participante do grupo em dedilhar, improvisar, solar, harmonizar, percutir e fazer soar por meio de seus violões um espírito musical liberto de amarras, sem preconceito.

ARTISTA Trio Opus 12
GRAVADORA Independente
PREÇO R$ 27