Sonora Brasil leva música brasileira pelo Brasil sem redundar

Por Carlos Bozzo Junior


Assista ao vídeo com Rosália Gomes dos Santos, uma das cantoras do grupo das Destaladeiras de Fumo de Ararapiraca (AL).

O Música em Letras esteve na abertura da 18ª edição do Sonora Brasil, que aconteceu dia 28 de maio, em Vitória, no Espírito Santo. Até o final deste ano, o projeto realizado pelo Sesc (Serviço Social do Comércio) faz com que a música seja apreciada por meio de 480 concertos, passando por mais de 130 cidades brasileiras.

O Sonora Brasil deste ano está calcado em dois temas: Cantos de Trabalho e Violas Brasileiras. Três grupos representam Cantos de Trabalho: Destaladeiras de Fumo de Arapiraca (AL); Cantadeiras do Sisal e Aboiadores de Valente (BA) e Quebradeiras de Coco Babaçu (MA); e o Grupo Ilumiara (MG), dono de um repertório variado sobre o tema. Abarcando o tema Violas Brasileiras, a viola caipira/sertaneja será representada por Paulo Freire e Levi Ramiro (SP); a viola do Nordeste, por Ivanildo Vilanova, Antônio Madureira e Cássio Nobre (PE e BA); a viola de concerto, apresentada por Fernando Deghi e Marcus Ferrer (PR e RJ); e as violas singulares, como a de cocho, por Sidnei Duarte, Maurício Ribeiro e Rodolfo Vidal (MT, TO e SP).

Grupo de Destaladeiras de Fumo de Arapiraca, Alagoas comandado pelo mestre Nelson Rosa (Foto: Carlos Bozzo Junior)
Grupo de Destaladeiras de Fumo de Arapiraca, Alagoas comandado pelo mestre Nelson Rosa (Foto: Carlos Bozzo Junior)

O projeto chama fácil a atenção pela excelente qualidade na seleção dos artistas que apresenta. Contudo, sua abrangência tem destaque maior. Artistas relacionados aos Cantos de Trabalho levam sua arte pelos Estados das regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste. Os músicos de Violas Brasileiras tocam pelos Estados das regiões Sul e Sudeste. Essa ordem de apresentações se inverte em 2016. Violeiros vão para cima e os grupos de canto de trabalho para baixo do país.

Muitos de nós vemos as atrações do Sonora Brasil como exóticas. Parecem cantos e toques de povos de lugares que, romanticamente, em nosso imaginário, estão muito distantes, quase irreais, intangíveis. Entretanto, esse povo somos nós, e o lugar é aqui mesmo, no Brasil.

Acompanhe nos próximos posts o que o Música em Letras viu, ouviu e apurou no Sesc Glória, local de abertura do evento. Você vai aprender o que é uma arena acusmática, além de ler sobre a exposição Corpo Du Som do luthier Rodrigo Veras.

Assista ao vídeo com os violeiros Paulo Freire e Levi Ramiro, representantes do som da viola caipira ou sertaneja no evento.